Instagram | Kinea Investimentos Siga nossa página no Instagram e receba novidades. Siga nosso perfil Siga nosso perfil

Close
Kinea Explica

Diferenças e similaridades entre CRIs e CRAs

14 OUT 2021

Imagem Diferenças e similaridades entre CRIs e CRAs

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Muitos interessados no mercado financeiro já conhecem os termos CRI e CRA, mas será que conhecem as diferenças e similaridades entre esses dois tipos de títulos?

Vamos começar explicando o básico: 

CRI: O que é?

O Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) é um título que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o investidor terá direito a receber uma remuneração (geralmente juros) paga pelo emissor e, periodicamente, ou quando chegar o vencimento do título, ele receberá de volta o valor investido (principal).

Do ponto de vista do emissor, o CRI é um instrumento de captação de recursos, destinados a financiar transações do mercado imobiliário. Seu lastro é feito por meio de créditos imobiliários, tais como: financiamentos residenciais, comerciais ou para construções, contratos de aluguéis de longo prazo etc.

E CRAs, o que são?

Os Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), são títulos de renda fixa, assim como os CRIs, mas seu lastro é em recebíveis originados de negócios entre produtores rurais, ou suas cooperativas, e terceiros, abrangendo financiamentos ou empréstimos relacionados à produção, à comercialização, ao beneficiamento ou à industrialização de produtos, insumos agropecuários ou máquinas e implementos utilizados na produção agropecuária.

Quem pode emitir CRIs?

Somente instituições específicas, denominadas securitizadoras, podem emitir CRIs.

As companhias securitizadoras de créditos imobiliários são instituições não financeiras constituídas sob a forma de sociedade por ações, elas têm por finalidade a aquisição e securitização desses créditos, além da emissão e colocação, no mercado financeiro, desses CRIs, podendo também emitir outros títulos de crédito, realizar negócios e prestar serviços compatíveis com as suas atividades.

E os CRAs, como funciona a sua emissão?

Os CRAs só podem ser emitidos por companhias securitizadoras de direitos creditórios do agronegócio. Elas têm por finalidade adquirir e securitizar os direitos creditórios, sendo responsáveis pela emissão e colocação dos CRAs no mercado financeiro e de capitais, não tendo o papel de devedoras na operação.  São empresas especializadas em “transformar” esses créditos em títulos de renda fixa.

É importante ressaltar que o lastro do CRA tem que ter no mínimo o tamanho e o prazo da emissão ao qual está atrelado, para que, já na estruturação, os investidores não fiquem descobertos.

Tipos de remuneração dos CRIs e CRAs:

Assim como todo o título de renda fixa, o CRIs e CRAs têm remuneração relativamente previsível. Isso significa que, quando você compra um título, consegue estimar o quanto receberá ao longo de sua duração.

Neste caso, tanto os recebíveis imobiliários quanto os do agronegócio, tem três formas de pagar seus rendimentos:

  • Taxa de juros pré-fixada: definida no momento da emissão do papel. Nesse caso, o investidor sabe, já no momento da aplicação, qual será o rendimento do título, em percentual.
  • Remuneração pós-fixada: a remuneração é atrelada a um indicador, como CDI (Certificado de Depósito Interfinanceiro), que é o principal índice de rentabilidade da renda fixa, ou a Selic (taxa básica de juros da economia brasileira). Diferentemente dos papéis prefixados, neste caso o retorno vai depender da variação do índice ou indicador. Como, por exemplo, o Kinea Rendimentos.
  • Remuneração atrelada à inflação: os certificados desse tipo têm uma parcela prefixada e outra pós-fixada de rentabilidade. A parcela pré-fixada assegura uma taxa de juros mínima. Já a pós-fixada é a variação da inflação, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ou pelo IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado). Como, por exemplo, o nosso Kinea Securities (KNCR11) e o Kinea Índice de Preços (KNIP11).
  • Tributação desses títulos

Uma das principais vantagens de se investir em CRIs ou CRAs é o fato de que estes produtos são isentos de imposto de renda para Pessoas Físicas. Ou seja, as aplicações financeiras em CRI realizadas por investidores Pessoa Física, não têm tributação de IR. Os dois tipos, tanto CRIs quanto CRAs, também não sofrem tributação de imposto sobre operações financeiras, o IOF.

Ou seja, por serem títulos isentos dessas tributações, sua remuneração é líquida.

Quando o investimento em CRI ou em CRA é feito por Pessoa Jurídica, a tributação segue a tabela de IR para a maior parte dos investimentos em renda fixa:

  • 22,5% para aplicações de até 180 dias,
  • 20% para aplicações entre 181 e 360 dias,
  • 17,5% para investimentos entre 361 e 720 dias e
  • 15% após 720 dias de aplicação.

Fatores de Risco

Existem dois principais fatores de risco quando o assunto é Certificado de Recebíveis Imobiliários ou do agronegócio, que são:

Risco de liquidez: a liquidez de CRIs no mercado secundário é baixa. Por isso, caso o investidor necessite vender seu investimento neste mercado, ele correrá o risco de não encontrar compradores – estando, portanto, exposto ao risco de liquidez.

Risco de Crédito: Diferente de outras modalidades de investimento em renda fixa, o CRI não conta com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Portanto, um dos principais riscos aos quais o investidor estará exposto ao investir em CRIs é o risco de crédito – ou seja, o risco de ter perdas financeiras em caso de problemas com o devedor do crédito imobiliário com lastro no CRI.

Conclusão

Ambos os certificados tem as seguintes similaridades:

  • Títulos securitizados de renda fixa;
  • Opções de remuneração pré fixada, pós fixada e atrelada à inflação;
  • Têm baixa liquidez;
  • Investimentos de longo prazo;
  • Não são cobertos pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC);
  • Isenção do Imposto de Renda;
  • Isenção do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

A grande diferença entre os dois é que um trabalha com o setor imobiliário e o outro é do setor do agronegócio.

O principal nos dois casos, para escolher qualquer um deles como opção de investimento, é identificar se esse tipo de título faz sentido pra você, como investidor.

É preciso considerar, por exemplo, o prazo do investimento e as chances de precisar do dinheiro antes disso. Também é importante verificar o nível de risco dos papéis e se os recursos que você tem para aplicar em certificados de recebíveis representarem uma parte muito relevante do seu patrimônio, pois a sua exposição ao risco pode acabar ficando muito elevada. Lembre-se de que CRIs e CRAs não são cobertos pelo FGC.

Sendo assim, antes de investir em um CRI ou CRA, é preciso ter em mente que seus investimentos precisam ser adequados à sua tolerância ao risco.

Para continuar informado sobre o mercado de investimentos, siga a Kinea nas redes sociais.

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br