Youtube | Kinea Investimentos Não perca o Kafé com Kinea com o Diretor de Política Monetária do Banco Central, seg (30/05) às 12h. Ativar lembrete. Ativar lembrete.

Close

Pontuação de Risco

Pontuação de Risco 5

x

Pontuação de Risco A Pontuação de Risco Kinea é feita com base nos riscos de mercado, crédito e liquidez.

Início do Fundo

20 dez. 19

Taxa de Administração

2% a.a.

Taxa de Performance

20% do que exceder 100% IBOVESPA

Patrimônio líquido atual

R$ 424,44 Mi

PL médio (12 meses)

R$ 375,81 Mi

Linha Detalhe Abas
Dots Abas

Onde investir no Gama?

NOVIDADE

Invista nos fundos Kinea

Cadastre-se em nossa plataforma de investimentos em parceria com a Órama.

Rentabilidade do Gama

Atualizado em Abril 2022

2022 ANO JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.
FUNDO 6.31% 6.45% 0.69% 6.21% -6.61%                
IBOV 2.91% 6.98% 0.89% 6.06% -10.10%                
+/-IBOV 3.40% -0.53% -0.20% 0.15% 3.49%                
2021 ANO JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.
FUNDO -9.89% -2.92% -0.95% 3.55% 3.34% 7.02% 0.78% -2.35% -3.35% -4.68% -8.19% -3.76% 2.15%
IBOV -11.93% -3.32% -4.37% 6.00% 1.94% 6.16% 0.46% -3.94% -2.48% -6.57% -6.74% -1.53% 2.85%
+/-IBOV 2.04% 0.39% 3.42% -2.45% 1.40% 0.86% 0.32% 1.60% -0.87% 1.88% -1.45% -2.22% -0.70%
2020 ANO JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.
FUNDO 25.15% -0.88% -8.79% -29.41% 13.69% 13.53% 12.44% 7.89% -0.26% -1.34% 0.93% 12.96% 11.63%
IBOV 2.92% -1.63% -8.43% -29.90% 10.25% 8.57% 8.76% 8.27% -3.44% -4.80% -0.69% 15.90% 9.30%
+/-IBOV 22.24% 0.75% -0.36% 0.50% 3.44% 4.97% 3.68% -0.38% 3.18% 3.46% 1.61% -2.95% 2.33%
2019 ANO JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.
FUNDO 0.48%                       0.48%
IBOV 0.46%                       0.46%
+/-IBOV 0.03%                       0.03%

Resultado da gestão

Resultado da Gestão | Kinea Gama

Palavra do Gestor

Data ref. Abril 2022

Vídeo de análise

Se preferir, confira a carta na íntegra:

Para ver as informações completas, acesse a Carta do Gestor.

Encerramos a carta passada citando um fato estatístico: o mês de abril, historicamente, é positivo para as bolsas do mundo. Ledo engano! O mês chegou ao fim com o Ibovespa arrefecendo 10% em real e 14% em dólar, enquanto o S&P 500 devolveu 9% e a Nasdaq, impressionantes -13%. Há quase uma década que as principais bolsas do mundo não fechavam no negativo em um mês de abril. Essa é a prova, mais que concreta, de que o passado significa muito pouco para o futuro e de que há diversas incertezas rondando os mercados. Entre todas, as que prevaleceram nos últimos dias foram a conduta do governo chinês com mais um avanço da Covid-19 nas suas principais cidades e a conduta dos dirigentes do Fed, o Banco Central norte-americano, ao assustarem os investidores com seus pronunciamentos fora do FOMC. A verdade é que os dados econômicos dos EUA já indicam desaceleração, mas como o medo é sempre maior no prenúncio do que no fato, os ativos começaram a carregar alguma probabilidade de recessão para o 2º semestre desse ano. E quando há incerteza, há medo. E quando há medo, ativos de risco sofrem. Se é melhor evitar os mercados de ações de países desenvolvidos por risco de recessão, e se os mercados de ações de emergentes também sofrem com uma China dúbia e nebulosa quanto as suas medidas sociais e seu crescimento econômico, então é melhor se proteger. Em poucas palavras foi isso que aconteceu em abril, o que ficou claro quando vimos o investidor estrangeiro retirar da bolsa (mercado à vista) cerca de R$ 6 bilhões, depois de sucessivos meses de forte entrada de recursos. Mas findo o mês, os fundos de ações da Kinea tiveram uma performance superior ao benchmark novamente. A relevante posição em nomes de yield, em especial os setores de utilidade pública (como energia), infraestrutura e shopping centers, que já temos carregado e comentado desde fevereiro, contribuiu muito positivamente. Somou-se a isso, a escolha certeira de manter uma exposição maior a empresas agrícolas e petroleiras, dentro do setor de commodities, do que empresas do ramo de celulose, siderurgia e mineração. A redução da exposição ao setor de consumo discricionário foi providencial. Esse é um setor que tem operado mal por boa parte dos meses até agora, mas que nos surpreende muito pouco, uma vez que deixamos claro na última carta de virada de ano a dificuldade que este segmento teria em um ano desafiador como 2022. Pois bem, e para maio? Bom... Agora em maio, o histórico é outro! Talvez pela célebre frase “sell in may and go away” (venda em maio e fuja, em tradução livre), o efeito calendário/sazonal tem influência na performance ruim das bolsas nesse período. Mas abril passado esteve aí justamente para provar que o passado pode explicar nada do futuro, quando o assunto é mercado financeiro. De todo modo, há ainda diversas incertezas à mesa e estamos de olho, em especial, nas decisões que o Xi Jinping terá acerca do surto recente de Covid-19 e do estímulo de sua economia, do FOMC nessa primeira semana de maio e dos dados econômicos americanos subsequentes e da guerra na Ucrânia que parece não ter fim – muito pelo contrário o conflito tem escalado, infelizmente. No Brasil, os dados econômicos parecem melhorar. Na verdade, não é de hoje que observamos isso. Na virada de fevereiro para março, já havíamos comentado essa nossa percepção. De dados industriais, como PMI e Formação Bruta de Capital Fixo, até dados de emprego e de confiança dos agentes, muita coisa melhorou. Os meses de março e abril foram muito fortes para o comércio e serviço, indicando que a retirada da obrigatoriedade do uso de máscaras e o fim do estado de emergência contribuíram para a economia. Em suma, estamos razoavelmente preocupados com o mundo, mas um pouco menos com o Brasil em termos relativos. Desta forma, ao nosso ver, é desconfortável manter uma carteira pró-risco, mas igualmente arriscado carregar uma carteira menos comprada e com elevado caixa. Optamos por manter os fundos em uma composição muito parecida com o dos últimos dois meses: uma seleção cautelosa dentro do setor de commodities, um stock picking exigente dentro do segmento de consumo, uma exposição subalocada em bancos e outra relativamente alta em nomes de yield. O COPOM de maio será crucial para isso, mas seguimos achando que há espaço para a curva de juros brasileira performar bem e beneficiar nossos portfólios. Por fim, um último evento em destaque na primeira quinzena de maio é a divulgação de resultados do 1º trimestre de 2022 das empresas brasileiras. Seguimos atentos para o impacto da inflação nas margens e na capacidade de repasse de preços daqui para frente.

Características do Gama

Para mais informações confira a Carta do Gestor.

Objetivo do Fundo

Superar o Ibovespa com um tracking error* em torno de 8% a.a ao longo do ciclo de investimento
*Tracking error é uma medida de risco que mede quão distante o desempenho de um fundo ou portfólio está do seu benchmark. No caso, o Ibovespa. Quanto maior o tracking error, maior o risco comparativamente ao Índice de referência, benchmark.

Perfil de risco agressivo

Contém

Combinação de análise Micro das empresas com a análise Macro e o cenário econômico do Brasil.

Classes de ativos

O fundo pode investir, somente na posição comprada (long-only), em ações listadas na bolsa brasileira (B3) ou norte-americana (Nasdaq, Nyse) de empresas com operação no Brasil.

Diversificação setorial

Buscamos as melhores oportunidades no mercado de ações, agregando valor nos diversos setores da economia.

Estilo

Combinação de uma análise fundamentalista do cenário econômico (análise macro), com uma análise estrutural (vantagens competitivas) e de momento de curto prazo das empresas (análise micro).

Fundo Long Only

O Kinea Gama é um Fundo Long Only cujo índice de referência é o Ibovespa. Isso significa que o fundo posiciona-se até 100% comprando em ações de empresas brasileiras, sempre tendo como referência o Ibovespa, agregando valor ao performar melhor que o índice.

Como funciona

Processos diligentes e retroaprendizagem constante.

1. Prospecção

Gestor acompanha ativamente o mercado identificando as melhores oportunidades.

2. Avaliação

É feito um redesenho do Ibovespa em setores, sob um olhar de risco top down (macro) e bottom up (micro).

3. Aquisição

Uma vez que a relação risco e retorno do investimento atenda às exigências, o gestor irá adquirir o ativo.

4. Controle

O monitoramento de todos os ativos do fundo é realizado de forma ativa.

Equipe

Equipe multidisciplinar, sócia do cliente no fundo.

Foto Rafael Oliveira, CFA

Rafael Oliveira, CFA

Ações Long Only

Rafael juntou-se à equipe da Kinea em setembro de 2019 como responsável pelos fundos de ações long only. Anteriormente, passou pelo Credit Suisse, Itaú BBA e Banco Alfa, atuando na análise de empresas listadas de diversos setores e na gestão de portfólios de ações. Mais recentemente foi sócio do Grupo XP, atuando na gestão de portfólios exclusivos de ações. Iniciou a carreira na Gerval, family office, da família Gerdau.

Rafael é graduado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e tem pós graduação em Economia pela mesma instituição.

Foto Pedro Andrade

Pedro Andrade

Estagiário

Juntou-se a Kinea em dezembro de 2021 atuando em projetos de programação que auxiliam o time de Equities – Fundos Líquidos.

Graduando na UFMG formará em 2024 em Ciência da Computação.

Foto Sauro Druda

Sauro Druda

Analista

Sauro iniciou na Kinea em março de 2021. Anteriormente, foi analista de ações da asset da Porto Seguro cobrindo as empresas listadas de distribuição de combustíveis, saúde, farma e utilities. Iniciou sua carreira em 2016 na XP como estagiário e foi efetivado como ponta de mesa.

Sauro é formado em Ciências Contábeis pela FEA-USP. Durante o segundo semestre de 2017 participou de um programa de intercâmbio na Universidade Bocconi. Sauro é CFA level II candidate.

Foto Luís Lima

Luís Lima

Analista

Luis iniciou suas atividades na Kinea em março de 2020, como analista nos fundos de ações Long Only. Anteriormente atuava como analista de equity research sell side no Credit Suisse desde 2017, auxiliando clientes institucionais locais e internacionais na analise dos setores de Utilities, Infraestrutura e Capital Goods.

Luis é graduado em Administração de Empresas pela FEA-RP/USP e em Direito pela UNAERP.

Foto Gabriel Ishikawa

Gabriel Ishikawa

Trader

Foto Marco Aurelio Freire

Marco Aurelio Freire

Sócio e gestor dos fundos líquidos

Marco iniciou na Kinea em Janeiro de 2015 como gestor responsável pelas estratégias Hedge Fund Macro. Entre 2008 e 2014 foi Chief Investment Officer dos fundos de renda fixa locais e multimercados da Franklin Templeton no Brasil.
Marco está envolvido na gestão de fundos de renda fixa e multimercados desde 2004, tendo trabalhando no Bank Boston Asset Management na mesa de renda fixa.
Marco possui o mestrado em economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e é bacharel em economia pela mesma universidade.

Documentos recentes do Gama

Nome do Documento Data da Atualização
Valor Patrimonial da Cota

5/2022

5/2022
Carta do Gestor

4/2022

4/2022
Informativo de Rentabilidade

4/2022

4/2022

Para documentos antigos acesse nossa seção de documentos.

Perguntas Frequentes sobre o Gama

O que é um fundo long only?

Fundo Long Only é aquele que posiciona-se somente comprado. Não tem posições vendidas, ou que se beneficiariam de uma eventual queda de preços das ações.

O que é tracking error?

Tracking error é uma medida de risco que mede quão distante o desempenho de um fundo ou portfólio está do seu benchmark. No caso, o Ibovespa.

Quem deve investir no Kinea Gama?

Investidores qualificados que buscam exposição em renda variável e retornos acima do IBOVESPA no longo prazo.

Por que investir no Kinea Gama?

Para obter retornos atrelados ao desempenho da bolsa brasileira, agregando maiores rentabilidades a uma carteira de investimentos.

Quem está apto a investir no Kinea Gama?

Investidores em geral que buscam exposição em renda variável e retornos acima do IBOVESPA no longo prazo.

Qual expectativa de retorno do Kinea Gama? E de perda?

No longo prazo o Kinea Gama tem o objetivo de superar o IBOVESPA com um tracking error*, em torno de 7% a.a.

Quais são as despesas do Kinea Gama?

2,0% ao ano de taxa de administração, 20% do que exceder o Ibovespa, além de despesas como custódia, legal, etc. A rentabilidade do fundo, bem como sua expectativa de rentabilidade, são liquidas de todas as despesas do fundo.

Qual mínimo de investimento do Kinea Gama?

Consulte seu gerente. Essa informação depende do distribuidor do fundo.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.
Cadastre-se na Newsletter

Cadastre-se na Newsletter

WhatsApp
Ao se cadastrar você aceita a receber o contato da Kinea a respeito dos nossos fundos de investimento.