Instagram | Kinea Investimentos Siga nossa página no Instagram e receba novidades. Siga nosso perfil Siga nosso perfil

Close
Reflexões

Ancoragem e projeções de inflação no Brasil

21 SET 2021

Imagem Ancoragem e projeções de inflação no Brasil

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

No mercado financeiro, medidas de prêmio de risco são amplamente analisadas. Isso é ainda mais válido para países emergentes, em especial o Brasil. Os riscos políticos e de populismo econômico são precificados em diversos mercados, em especial nos cambiais, de juros, de inflação e na bolsa.

Mas e quando o mercado exagera na precificação? Normalmente, quando estamos em períodos de estresse, ou até mesmo em cenários positivos, a mente humana tende a extrapolar a situação, acreditar que o que está vivendo naquele momento tende a perdurar no futuro. Esse padrão de comportamento reflete um tema já discutido por nós: viés cognitivo. Neste caso o de ancoragem: as pessoas são influenciadas por informações iniciais, que funcionam como ponto de referência. Assim, o comportamento recente dos preços tende a influenciar desproporcionalmente a avaliação de cenários futuros de um certo mercado.

Neste ano tivemos um choque de inflação bem mais persistente, evento raro nos últimos anos: em dezembro, os analistas projetavam inflação a 3,3% e devemos fechar 2021 acima de 8%. Os movimentos da inflação corrente costumam estar correlacionados com a precificação da inflação futura e tamanho choque inflacionário acabou por contaminar as expectativas do mercado. Hoje olhando o mercado de NTN-B, podemos inferir que o mercado precifica uma inflação próxima de 6% ao ano a partir de 2023 por um longo período.

 

Gráfico de variação 12 meses do IPCA vc inflação implícita

Fonte: Kinea, Bloomberg e IBGE

 

Gráfico de Prêmio de Inflação

Fonte: Bloomberg e Kinea

Com uma meta de inflação cadente e que atingirá 3% de 2024 em diante, o prêmio de risco inflacionário atual é compatível com momentos de estresse, como em véspera de eleições ou períodos de descontrole inflacionário e baixa credibilidade do Banco Central, à exemplo do governo da ex- presidente Dilma. Acreditamos que estamos em situação diferente e apostamos na redução do prêmio de inflação de médio prazo, ao longo dos próximos trimestres.

Sob a ótica política, vivemos recentemente uma experiência de descontrole fiscal e inflacionário que levou o país a uma das maiores recessões da história – da qual ainda não nos recuperamos totalmente e culminou no impeachment da ex-presidente Dilma. A memória das consequências negativas está fresca na população e, principalmente, nos agentes políticos. Assim, por instinto de sobrevivência política, acreditamos que o episódio recente traz certo contorno às potenciais ações populistas do poder executivo.

Olhando para a inflação corrente, é verdade que no curto prazo as assimetrias são altistas: ainda há riscos relacionados a problemas na cadeia de suprimentos, reajustes de preços de serviços com a reabertura e o próprio caráter inercial da inflação, que ainda afetará os próximos meses. A questão é: em que patamar deveria rodar a inflação após a normalização desses fatores?

Os efeitos dos choques de depreciação cambial, alta nos preços das commodities e choque hídrico observados até o começo do ano respondem por parte relevante da surpresa inflacionária. Só a normalização – já em curso – desses choques deve retirar mais de 3 pontos percentuais da inflação, no final de 2022. Aliado a isso, acreditamos que a ociosidade da economia, hoje temporariamente suspensa por problemas de estoques e da injeção de recursos fiscais nas mãos das famílias, estará mais presente a partir de meados do que vem. Temos hoje uma taxa de desemprego ainda muito alta e substancialmente acima do patamar neutro. Por fim, mas não menos importante, o Banco Central se mostra comprometido com seus objetivos e caminhamos a passos largos para uma política monetária restritiva, que irá resfriar a economia, ajudar na estabilidade cambial e contribuir para o processo desinflacionário.

Buscando nos desfazer das âncoras e olhar para a inflação futura sem nos deixar contaminar pelo presente, apostamos em uma maior desinflação do que o mercado projeta, hoje, para o médio prazo.

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br