Youtube | Kinea Investimentos Não perca o Kafé com Kinea com o Diretor de Política Monetária do Banco Central, seg (30/05) às 12h. Ativar lembrete. Ativar lembrete.

Close
Cartas do Gestor

O Remédio e o Veneno

25 FEV 2022

Imagem O Remédio e o Veneno

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Nossas considerações sobre a subida de juros nos Estados Unidos e o conflito entre a Rússia e o ocidente na Ucrânia.

Uma conhecida fábula do mercado é que o processo de elevação de juros promovido pelos bancos centrais se assemelha a prática da pesca com o uso de dinamite. Nesse contexto, os bancos centrais têm pouca ideia de onde deve parar o processo de subida, e simplesmente olham para as consequências das decisões.

No início da subida a economia pouco responde, e as cargas de dinamite não geram muito resultado. Logo, alguns pequenos peixes aparecem boiando conforme as sucessivas subidas de juros começam a impactar a economia, seguidos de peixes maiores. Normalmente o processo só é encerrado quando uma baleia aparece entre as causalidades.

Em 1998, foram necessárias a quebra do LTCM e a crise da Rússia para encerrar esse processo. Em 2000, foi a vez da bolha de tecnologia estourar. O processo em 2008 culminou com a quebra do Lehman Brothers. E, finalmente, em 2018, foi necessário que o S&P 500 caísse mais de 20% para que o processo fosse revertido.

continua após a newsletter

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

O novo ciclo de altas do FED deve se iniciar em março desse ano: novamente pescaremos com dinamite. O processo já se inicia de forma tardia: durante o mês de fevereiro o FED ainda estava promovendo quantitative easing a despeito da inflação corrente estar acima de 7% e a taxa de desemprego abaixo de 4%.

Começando tão tarde no processo, o FED possivelmente terá que trabalhar mais rápido que o usual para atingir o objetivo de ancorar as expectativas inflacionárias.

Infelizmente, a diferença entre o remédio e o veneno é muitas vezes a quantidade. Rápido demais e o FED arrisca inverter a curva de juros (taxas curtas mais altas que as taxas longas) e desacelerar a economia ao ponto de causar uma recessão. Devagar demais e a âncora de expectativas pode ceder, com a inflação vazando para o setor de serviços e salários, fazendo com que o veneno tenha que ser ainda mais forte em períodos subsequentes.

O que a história nos conta? O track record do FED é que sua balança tem pouca capacidade de distinguir entre o remédio e o veneno. Como a política monetária reage com um lag de 6-12 meses na economia, a autoridade monetária tem pouca visibilidade se suas ações são ou não suficientes para deter o processo inflacionário. O banco central então estende sua atuação até que a “baleia” apareça. Isso é, até que algo significativo quebre na economia.

O que esse processo significa para nossas posições? Primeiramente, acreditamos que depois de mais de uma década de quantitative easing e juros muito baixos, o mercado deve ser lento em ajustar expectativas de juros mais altos ao longo da curva.

De modo geral, o mercado ainda se recusa a acreditar que o FED pode elevar as taxas de juros acima do neutro, com a curva forward se recusando a cruzar a linha de 2%. Continuamos a acreditar que as taxas de juros, principalmente as taxas de juros reais, ainda estão muito baixas para o cenário atual de baixo desemprego e alta inflação.

Também continuamos a evitar exposição significativa à bolsa norte-americana. Entendemos que não são as primeiras subidas de juros que matam a bolsa, mas sim as últimas. Entretanto, dentro de um processo que ainda mantém elevada participação de pessoas físicas nos fluxos de entrada e de um banco central que pode se tornar mais agressivo, pensamos que o potencial retorno ajustado à volatilidade de uma exposição comprada não deve ser atrativo o suficiente. Mantemos posições compradas em poucos setores, como no caso de energia.

Rússia e Ucrânia: guerra é a continuação da política por outros meios

No outro lado do mundo a Rússia também tenta uma modalidade diferente de pescaria com dinamite, invadindo a Ucrânia com o intuito de manter o país dentro de sua esfera de influência.

Von ClausewitzCarl von Clausewitz, estrategista de guerra Prussiano, em seu famoso livro On War, menciona a celebre frase: “guerra é a continuação da política por outros meios”. Em poucos casos, podemos dizer que essa frase é tão verdadeira quanto no atual conflito entre a Rússia, a Ucrânia e o ocidente.

O estudo da história dos dois países é fundamental para entendermos as razões pelas quais chegamos ao ponto de uma invasão em solo europeu em proporções não vistas desde a segunda guerra mundial.

A Ucrânia é um país  independente há três décadas, tendo sido parte principalmente do império Russo desde o século XIV. A história do povo Russo na verdade se inicia na região ao redor da moderna Kiev. A frota Russa no Mar Negro por toda sua história foi baseada na Criméia em sua base de Sebastopol. Desassociar a história desses dois países é uma tarefa complexa.

Desde sua independência, a Ucrânia é um país dividido em duas áreas de influência: ao leste do país predomina a influência russa, com voto em candidatos alinhados com o Kremlin, e ao oeste domina a influência ocidental, com alinhamento de interesses na direção da União Europeia.

Mapa Leste Ucrânia / Rússia

A política norte-americana  de expansão da OTAN no leste Europeu, culminando com a ideia de integrar a Ucrânia à aliança ocidental, se tornou incompatível com a visão russa de que a Ucrânia é uma “zona de exclusão” entre Moscou e o ocidente.

Nas palavras de Vladimir Putin: a entrada da Ucrânia na OTAN não só permitiria que misseis fossem posicionados em território Ucraniano, os quais poderiam atingir Moscou em poucos minutos, mas também faria com que a Ucrânia estivesse dentro do chamado Artigo 5 da OTAN: no qual um membro agredido é automaticamente defendido.

Esse fato se tornou inegociável para o Kremlin vis a vis a potencial situação em que a Ucrânia, dentro da OTAN, quisesse recuperar a Criméia e dentro desse envelope tivesse acesso ao Artigo 5, iniciando uma guerra entre a OTAN e a Rússia.

Os Objetivos da Rússia

Voltando a frase de Clausewitz, a Rússia tem acima de tudo um objetivo diplomático a ser atingido: enfraquecer o poder central da Ucrânia e desmilitarizar o país, impedindo que a Ucrânia se torne parte da esfera ocidental e um país militarizado que possa no futuro causar problemas de defesa para Moscou. A guerra continuará sendo veículo para forçar Kiev a uma solução diplomática que cumpra esses objetivos.

Não acreditamos que seja o objetivo da Rússia incorporar ou ocupar a Ucrânia: um país de 44 milhões de habitantes do tamanho do estado do Texas. O Kremlin ainda tem claro em sua história o custo de ocupação de países como o Afeganistão. Ideias que a Rússia teria a intenção de “reconstruir a União Soviética” não parecem ser corroboradas pelos custos e riscos associados em tal operação.

Impacto nos mercados

Devemos manter em perspectiva a importância econômica da Rússia no contexto global: uma economia relativamente pequena para o contexto global, com PIB similar ao do Brasil.

Entretanto, essa economia comanda enorme participação no fornecimento de algumas commodities para o mundo: cerca de 10% do petróleo, 17% do gás natural, 40% do paládio e 30% do trigo.

Dessa forma, o principal canal de contaminação do atual conflito, e seus possíveis desdobramentos futuros, deve ocorrer por pressões de custos dessas commodities e seus consequentes efeitos em índices inflacionários ao redor do planeta.

Estamos atentos a esses desenvolvimentos e o potencial impacto na política monetária norte-americana.

***

Estamos sempre à disposição de nossos clientes e parceiros.

Kinea Investimentos

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Receba insights exclusivos

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br