Voltar

Insights

Mad Max e Diesel: quando Hollywood e a realidade se encontram

13 JUN 2022

Imagem Mad Max e Diesel: quando Hollywood e a realidade se encontram

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Diesel: o (subestimado) motor do mundo

Motivado pelos efeitos do choque de petróleo dos anos 70, o filme Mad Max retrata o caos em uma Austrália distópica e futurista. Como relatou o próprio roteirista, a ideia era mostrar os limites aos quais as pessoas iriam para garantir sua mobilidade num cenário de escassez de combustíveis.

O aperto estrutural nos mercados de petróleo e demais combustíveis fósseis é um tema que já figura há mais de um ano entre nossas principais teses de investimento (Não Olhe para Cima e A Incrível Viagem de Shackleton). As cenas de um filme de ficção talvez sejam um pouco extremas, mas nos remetem a um risco que julgamos subestimado pelo mercado no cenário atual: o potencial de disrupção na oferta de produtos derivados de petróleo – como diesel, querosene e gasolina, em um mercado que é ainda mais difícil de balancear do que o do próprio petróleo bruto.

 

Sintoma dessa escassez são margens (crack spreads) das refinarias nas máximas históricas –nos EUA, elas ganham hoje quase $50 por barril de gasolina refinada, contra uma média histórica de $10, valor que já vinha subindo desde o final de 2020, mas ganhou novo impulso após a invasão da Rússia na Ucrânia.

Apesar de o petróleo estar negociando um pouco abaixo dos preços de março, os preços de gasolina e diesel seguem batendo novos recordes. Pela primeira vez na história, todos os estados americanos pagam mais de $4 por galão de gasolina.

Produtos refinados de petróleo não só funcionam como principal “motor” para o transporte global, como servem de insumos para a produção de energia elétrica, produção industrial e de alimentos, além de indexarem os preços de fretes terrestres, aéreos e marítimos.

 

Sendo insumo para basicamente toda a cadeia industrial, energética e de transportes, a perspectiva de falta de diesel no mundo tem implicações econômicas amplas. Incertezas no balanço entre oferta e demanda deixam mais nebuloso o cenário de atividade global, com possibilidade de fechamento das indústrias por falta de insumos e queda na produção global de alimentos.

Torna, consequentemente, ainda mais desafiador encontrar o momento em que a inflação global fará pico e que os bancos centrais possam aliviar o discurso duro de combate aos altos custos de vida.

Por fim, amplia a pressão política sobre líderes que arriscam sua popularidade em meio à perda de poder de compra de suas populações. Neste Kinea Insights, vamos explorar as origens e implicações desse problema, inclusive para o Brasil.

A falta de capacidade de refino no mundo e a retomada da demanda

Para resumir a delicadeza do cenário, basta dizer que em 2021 a capacidade de refino no mundo caiu pela primeira vez em 30 anos (- 730 mil barris por dia). Essa queda resultou da interação entre redução de demanda da pandemia com fechamento de plantas já ineficientes e obsoletas.

Esse número fica ainda mais claro quando olhamos apenas para a capacidade no Ocidente, que concentrou o fechamento de refinarias como parte de uma tendência de longo-prazo. Só nos Estados Unidos, a capacidade de refino caiu 1,05 milhão de barris por dia entre meados de 2020 e abril de 2022.

O problema é que essa perda de capacidade de oferta mencionada vem encontrando, com o arrefecimento da pandemia e a retomada da mobilidade, uma demanda por produtos refinados em trajetória de normalização.

Pela primeira vez em três anos, a temporada de primavera e verão deve ter níveis de consumo de gasolina e querosene de aviação em linha com níveis médios históricos.

Em um ambiente de recuperação de demanda e incapacidade de aumentar a produção no mesmo ritmo, os estoques mundiais de refinados – especialmente de destilados, como o diesel – foram sendo consumidos.

Se esses estoques já começaram o ano em níveis preocupantes, a possibilidade de a Europa banir a importação de óleo e refinados russos – em resposta à guerra – pode ter colocado uma pá de cal sobre a almejada aceleração da transição energética nessa década, efetivamente dando lugar ao risco de uma escassez de combustíveis de proporções globais.

A Rússia possui 7% da capacidade de refino do mundo, e é responsável por 13% das exportações mundiais de diesel. Por ser a principal fonte para a Europa, existe o risco de perda de oferta global de petróleo da ordem de 2 a 3% (ou 2 a 3 milhões de barris por dia), somando óleo cru e refinado. No caso dos refinados russos, a Europa é a maior consumidora e importa em torno de 1,6 milhão de barris por dia, sendo 1 mb/d só de diesel.

Na medida em que a Europa utiliza metade do seu consumo de combustíveis somente em transporte rodoviário – onde emprega essencialmente diesel, em contraste com os EUA, que usam majoritariamente gasolina – esse banimento pode representar um choque abrupto.

A falta de oferta alternativa

Evitar esse choque passa por encontrar oferta alternativa suficiente para aliviar o mercado no curto-prazo, com o agravante de que o potencial de destruição de demanda por refinados nos parece menor no curto-prazo do que se comparassemos ao petróleo bruto. Além de ter uma elasticidade a aumentos de preços menor, diversos governos ao redor do mundo estão subsidiando o consumo de diesel e gasolina.

Se destruir demanda de refinados é mais difícil, o mesmo se aplica ao redirecionamento de oferta entre geografias. Apesar de Índia e China estarem absorvendo parte relevante da produção russa de petróleo bruto, os dois asiáticos são exportadores de refinados, e não conseguem absorver produtos russos suficientes – mesmo com desconto – de modo a reequilibrar totalmente esse mercado.

Na Índia, a principal refinaria já está operando em mais de 98% da capacidade. E na China, apesar de haver capacidade elevada de refino, isso não se traduz em oferta marginal para o mundo, dado que o governo coloca cotas de exportações sobre produtos refinados. As cotas foram apertadas em 2022 e as exportações de diesel para o resto do mundo estão normalmente baixas.

Sobram os EUA como produtor marginal de diesel para atender Europa, América Latina e a si próprio. O aumento das margens de refino até incentiva suas refinarias a aumentarem produção, mas o espaço é pouco: o nível de utilização de capacidade instalada já está historicamente elevado, em torno de 90%. A situação atual é tão sensível que o governo americano está discutindo a possibilidade de reativar refinarias antigas.

O consenso do mercado é que o piso dos estoques e o pico das margens das refinarias ocorram no verão, mas, pelos argumentos explorados ao longo desse texto, essa projeção de melhora tão rápida nos parece um tanto quanto otimista. Não é à toa que o mercado está constantemente se surpreendendo e revisando para baixo a trajetória esperada de estoques.

Nesse ambiente de oferta restrita, baixos estoques e retomada de atividade, os preços devem continuar pressionados até que haja uma destruição suficiente de demanda para equilibrar o mercado. O que não ajuda é o fato de que os governos estão subsidiando o consumo e distorcendo preços relativos. Em outras palavras, matando o mensageiro. A única outra maneira de rebalancear demanda e oferta é escassez e racionamento, o que causaria impactos profundos nas economias ao redor do mundo.

continua após a newsletter

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Diesel no Brasil: importador líquido em um ano de eleição

A restrição de oferta de derivados também afeta mais o Brasil do que o óleo bruto em si. Embora já tenhamos atingido a autossuficiência em petróleo, ainda dependemos da importação de combustíveis. O caso do diesel é ainda mais delicado: enquanto a importação de gasolina representa apenas 10% do consumo nacional, no diesel essa cifra atinge 25%! Ainda, a renovação da frota de caminhões nos últimos anos e a exigência de diesel de baixo teor de enxofre aumentaram ainda mais a demanda por diesel S10 e com isso, a dependência internacional, em particular dos Estados Unidos.

Além dos desafios quanto à disponibilidade do combustível já discorridos acima, o governo local enfrenta dois problemas adicionais: uma eleição em quatro meses e uma categoria de trabalhadores com capacidade de mobilização que já parou o país no passado. Com um presidente sensível à classe dos caminhoneiros e atrás nas pesquisas, vemos o governo avançando em medidas populistas de dimensões relevantes. Na mesa, estão propostas que elevam os gastos públicos de forma permanente em 1% do PIB/ano (o que em 10 anos geraria o impacto contrário do que foi a reforma da previdência), no que talvez seja a pior relação entre gasto fiscal/queda da inflação dos últimos anos.

Sem o principal sinalizador de escassez relativa da economia funcionando corretamente, a demanda por diesel tende a seguir o curso natural – deixando o país ainda mais vulnerável a alterações na oferta global e elevando o risco de desabastecimento interno.

***

Seguimos cautelosos e observando de perto os desenvolvimentos dessa questão, cientes de que ela tem potencial de afetar preços em praticamente todos os outros mercados. Por hora, seguimos posicionados em petróleo e outras commodities, especialmente agrícolas, além de termos posições em bolsa compradas no setor de energia e refino – onde as margens das empresas devem permanecer elevadas por algum tempo. Estamos sempre à disposição de nossos clientes e parceiros.

 

Kinea Investimentos

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Receba insights exclusivos

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br