Reflexões

Quando o bronze vale ouro: O que é pensamento contrafactual?

09 AGO 2021

Imagem Quando o bronze vale ouro: O que é pensamento contrafactual?

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Por que medalhistas de bronze parecem mais felizes do que os de prata? Não tem sido incomum vermos esse tipo de cena nos pódios das Olimpíadas atuais. Em 1995, os psicólogos Medvec, Madey e Thomas realizaram um estudo em que os estudantes da graduação da universidade Cornell atribuíam notas de felicidade aos medalhistas olímpicos das Olimpíadas de 1992. O resultado foi consistente: medalhistas de bronze aparentam maior felicidade no pódio.

Qual a explicação desse comportamento? Porque, racionalmente, um 2º lugar é melhor que um 3º lugar. A resposta dos autores para esse fenômeno é o pensamento contrafactual. O medalhista de prata poderia ter ganhado o ouro olímpico, o ápice da carreira do esportista, enquanto o medalhista de bronze poderia ter ficado fora do pódio.

O pensamento contrafactual já havia sido explorado anteriormente por Daniel Kahneman e Amos Tversky, ao desenvolverem o que foi chamado de “prospect theory”. Os seres humanos, em geral, apresentam algumas características que contradizem a teoria clássica de utilidade. A primeira, está relacionada à aversão ao risco. Imagine os seguintes problemas (exemplos tirados do livro Rápido e Devagar: Duas Formas de Pensar), qual você escolheria?

  1. Receber R$ 900 com certeza OU entrar em uma aposta com 90% de ganhar R$ 1000.
  2. Perder R$ 900 com certeza OU entrar em uma aposta com 90% de perder R$ 1000.

 

Para um agente racional, premissa da teoria clássica de utilidade, as duas opções são espelhos e o agente deveria optar pela mesma opção (seja ela apostar ou receber/perder o valor com certeza). O problema é que, na maioria das vezes, as pessoas preferem a certeza do valor na opção 1 e apostar na opção 2. A perda tem um valor maior para as pessoas do que o ganho equivalente, e, portanto, as pessoas se tornam “risk seeking” quando as opções são ruins.

O segundo ponto do “prospect theory”, relacionado ao exemplo das medalhas, se dá pelo ponto de referência inicial. Veja mais esses dois problemas, pense novamente em qual você escolheria:

  1. Você recebe R$ 1000. Em adição ao valor já recebido, você pode escolher entre: 50% de chance de ganhar R$ 1000 OU ganhar R$ 500 com certeza.
  2. Você recebe R$ 2000. Em adição ao valor já recebido, você pode escolher entre: 50% de chance de perder R$ 1000 OU perder R$ 500 com certeza.

 

Na teoria clássica de utilidade esses 2 problemas são intercambiáveis, em ambos a pessoa sairia com a certeza de ter ganhado R$ 1500 ou entraria em uma aposta para sair com R$ 1000 ou R$ 2000. O problema, novamente, é que as pessoas possuem comportamentos diferentes ao se depararem com esse problema. A maioria prefere a certeza dos R$ 500 no problema 1 e apostar no problema 2.

Qual a diferença? O ponto de referência. Para se chegar nos R$ 1500 no problema 1, os R$ 500 representam um ganho. Já no problema 2, para se chegar nos mesmos R$ 1500 finais, a pessoa teria uma perda de R$ 500. Exatamente o mesmo mecanismo por trás do pódio olímpico. Para ganhar um bronze o esportista tem que ganhar uma partida, entrando no pódio, já para ganhar uma medalha de prata, ele teve que perder o ouro.

Em gestão de investimentos temos que ficar sempre atentos aos vieses comportamentais. Estudos mostram que quando investidores estão perdendo, existe a tendência natural a tomar mais riscos para si (“risk seeking”), por exemplo. Muitas vezes mantém-se uma posição perdedora na carteira por mais tempo do que deveria, mesmo que as condições tenham mudado. Da mesma forma, encerra-se uma posição vencedora cedo demais (pense no segundo problema descrito relativo à referência inicial).

Na Kinea, tanto em nosso processo de investimento, como na gestão de risco, nos questionamos constantemente se não estamos caindo nessas armadilhas comportamentais.

No Kinea Reflexões da próxima semana iremos voltar a debater o problema da Racionalidade Limitada e como procurar evitá-lo.

 

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br