Reflexões

O que está acontecendo no setor imobiliário da China?

13 AGO 2021

Imagem O que está acontecendo no setor imobiliário da China?

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Para quem acompanha a economia chinesa, não é novidade que os ciclos econômicos estão intrinsecamente ligados aos ciclos do crédito e do mercado imobiliário. Os setores de construção e real estate contribuem com 15% do PIB – chegando a 25% com efeitos indiretos. A novidade é que desde o fim de 2020 o governo iniciou políticas de aperto monetário e regulatório no setor, em linha com a diretriz de que “casas são para morar e não para especular”.

Nesse contexto, os últimos dois meses foram de notícias frequentes sobre a Evergrande, empresa importante do setor que passa por problemas de liquidez. Dadas as possíveis consequências sobre a atividade doméstica da China e seus transbordamentos globais, num momento ainda frágil de recuperação da pandemia, esses movimentos têm colocado os investidores no mundo em alerta. Mas afinal, o que tem acontecido no setor imobiliário da China?

As grandes construtoras apareceram no país com as privatizações do setor habitacional, nos anos 90, e se tornaram gigantes com as enxurradas de crédito na década de 2010, política cíclica predominante para recuperação de crises recentes. Do lado da demanda, a rápida urbanização, fatores culturais e restrições sobre outros ativos – que acabam por direcionar a poupança para o mercado imobiliário – tornaram os imóveis a principal reserva de valor da economia chinesa, com mais de 80% das vendas atuais representadas por pessoas que já possuem um imóvel e compram um segundo ou terceiro. 

Como sintoma desse processo, o preço médio de casas em relação à renda mediana em Pequim ou Xangai é de três a quatro vezes maior do que em Londres ou Nova Iorque. Todos esses fatores colocaram o setor como foco da regulação do governo, em linha com a nova agenda de longo-prazo que busca reduzir a desigualdade (em parte combatendo o alto custo de moradia) e solidificar as bases de crescimento no país.

As novas medidas se concentram no lado macroprudencial, com a criação das chamadas “Três Linhas Vermelhas”, métricas de alavancagem e liquidez que devem ser observadas pelos construtores, visando limitar sua capacidade de endividamento. Atualmente quase todas as empresas do setor violam pelo menos uma dessas métricas. Em adição, colocou-se um limite sobre quanto crédito os bancos podem conceder para construtores e hipotecas. Por fim, será implementada uma reforma nos leilões de terra – principal fonte de receitas dos governos locais, buscando mais transparência e controle de alavancagem e preços, além de destinar parte dessas terras para construção de imóveis para aluguel. 

Este último ponto é relevante, dado que o mercado de aluguéis é muito embrionário e agora seu desenvolvimento também virou ponto central da política de habitação. Para tal, voltou-se a discutir a introdução de um imposto sobre o valor da propriedade, até hoje inexistente. Já há alguns programas-piloto nessa direção, cujo subproduto espera-se que seja o fomento do mercado de aluguéis e o redirecionamento de crédito para outras áreas.

O impacto dessas medidas no financiamento do setor começa a ser percebido, e nesse contexto se inserem os problemas da Evergrande. Segunda em volume de vendas, a empresa de Shenzhen é um caso clássico de business chinês, com expansão agressiva para além do seu setor principalela atua hoje no setor de veículos elétricos e até mesmo no turismo e esportes, fomentada por crédito barato na década de 2010. 

Seu fundador, terceiro maior bilionário chinês, é intimamente ligado ao Partido Comunista e dono do time de futebol Guangzhou Evergrande. Com uma das piores alavancagens de curto-prazo do setor e geração negativa de fluxos de caixa em 2018/19, a empresa se viu em necessidade de vender ativos para pagamento de obrigações e, recentemente, tem enfrentado recorrentes atrasos de pagamentos a fornecedores, processos judiciais e congelamento de ativos, o que levou à queda de mais de 50% no preço de diversos de seus títulos de dívida nos mercados globais.

Na China, a linha entre público e privado é bastante tênue, o que ficou de novo evidente nos últimos meses, quando setores de tecnologia e educação foram pegos de surpresa com regulações, para alinhá-los aos novos propósitos do planejador central. Também é notório o envolvimento de reguladores, banco central e empresas estatais em casos recentes de reestruturação de empresas importantes – como o Banco Baoshang e a gigante do varejo Suning – buscando uma liquidação controlada de ativos, evitando contágio nos respectivos setores. 

O setor imobiliário é bastante pulverizado – a Evergrande não representa mais que 3% das vendas totais – e a maioria dos credores das empresas são bancos e trusts funds, vários desses estatais. Dessa forma, acreditamos que o setor ainda é importante demais para ser deixado à própria sorte e que o governo deve controlar o ritmo de aperto regulatório e, eventualmente, até se envolver diretamente de modo a evitar uma desaceleração brusca do setor que teria impactos importantes para a atividade econômica doméstica e global.

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br