Reflexões

Nova debênture de Infraestrutura: que oportunidade é essa?

23 JUL 2021

Imagem Nova debênture de Infraestrutura: que oportunidade é essa?

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Tem avançado no legislativo o processo de criação de uma nova modalidade de debênture de infraestrutura (Nova Debênture), com objetivo de aumentar os investimentos na infraestrutura brasileira, que em alguns segmentos ainda é muito deficiente.

O que são debêntures?

Antes de falarmos sobre a nova modalidade, voltamos um pouco para lembrar o significado de “debêntures”.

Debêntures são um tipo de aplicação financeira na qual o investidor “empresta” dinheiro para que grandes empresas possam custear as suas operações e investimentos. Em troca, o comprador do ativo é remunerado com juros.

No dia 7 de julho de 2021 foi aprovado na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 2646/20, que tem como proposta estimular o investimento em infraestrutura, especificamente através de debêntures. A votação da PL foi amplamente favorável com 412 votos a favor e 11 contra, com uma abstenção e segue agora para o Senado.

Mas o que isso cria de oportunidades para investidores em geral?

A principal novidade desta nova debênture de infraestrutura é que o juro pago pelo emissor da debênture pode ser descontado do lucro tributável, até os limites de 30%. Ou seja, na nova modalidade de debênture, o incentivo fica com o emissor da debênture e não com o investidor do título. Isso significa que o emissor terá condições de emitir um título a uma taxa mais elevada, para atrair os investidores.

E a reforma tributária, como afeta essa modalidade de investimento?

Mesmo com toda a discussão atual sobre a reforma tributária, o governo optou por dar mais incentivos fiscais ao mercado de debêntures de infraestrutura, o que demonstra que independente da direção política dos governos, há o entendimento de que a infraestrutura é a chave para o crescimento sustentável.

Portanto, se aprovada a PL 2646, as empresas terão a opção de escolher qual modalidade usar para captar recursos. A escolha entre elas vai levar em consideração alguns pontos, como por exemplo: o endividamento total da empresa, o volume de lucro tributável nos próximos anos e o tipo de investidor que ela busca.

Para que foram criadas as debêntures?

Como dito anteriormente, o objetivo principal é atrair financiamento para infraestrutura, aumentando a participação de instituições que internacionalmente detém forte atuação no setor de infraestrutura, como por exemplo: os fundos de pensão brasileiros.

Os fundos de pensão já são isentos de impostos, por isso, tem pouco incentivo a investir na compra das atuais debêntures incentivadas, regidas pela lei 12.431/11, que a criou. Em contrapartida, os fundos de pensão têm necessidade de bons ativos de renda fixa com prazos longos, que são condições marcantes no setor de infraestrutura.

Num cálculo com premissas básicas, estimamos que as taxas das debêntures poderiam ter um acréscimo entre 0,35% a.a. à 0,75% a.a. das emissões de novas debêntures. Isso seria suficiente para atrair os fundos de pensão? A ver, mas acreditamos que sim.

O que não muda?

As novas debêntures guardam semelhanças com as debêntures incentivadas, que já são 398 emissões, totalizando R$ 117 bilhões captados desde 2012. Como, por exemplo, ambas são emitidas por companhias, para captar recursos no mercado e direcioná-los a investimentos em infraestrutura.

Outro ponto muito importante que não foi alterado é o benefício fiscal das debêntures incentivadas atuais. Isso significa que permanecem os benefícios fiscais de alíquota zero de imposto de renda sobre os rendimentos recebidos e, também, no ganho de capital que as pessoas físicas têm ao investirem neste tipo de debêntures, além dos fundos enquadrados na mesma lei (12.431/11).  Houve algumas melhorias para facilitar sua utilização, como prazos para enquadramento e emissão no mercado externo.

Acreditamos que esta iniciativa seja positiva no médio longo prazo, uma vez que:

  • Os investidores, em geral, poderão ter mais alternativas de investimentos em infra e, potencialmente, um mercado secundário com mais participantes que deve, também, ter mais liquidez;
  • As empresas terão mais uma opção de tomar empréstimos para investir;
  • Para os fundos de pensão, abre-se a possibilidade de investir em renda fixa de crédito privado a taxas mais atrativas e por prazos mais longos.

Seguimos acompanhando todas as movimentações do governo, tanto para aprovação da Nova Debênture, quanto para mudanças no texto da reforma tributária. E por mais que não acreditemos que irá mudar alguma coisa em relação aos fundos de infraestrutura, nos mantemos atentos.

Siga nossos canais proprietários e esteja sempre bem informado quanto às notícias.

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br