Voltar

Reflexões

De volta ao Urânio

26 MAIO 2022

Imagem De volta ao Urânio

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

Perda da capacidade de enriquecimento, disciplina de oferta e baixos estoques nos fazem voltar ao case de Urânio

Em cartas passadas, advogamos pela ampliação da participação de energia nuclear na matriz energética. Entendemos que essa é a única fonte de energia não poluente e não intermitente para qual a tecnologia já existe, além de ter a menor letalidade por KWh gerado dentre as fontes.

Nesta reflexão, iremos discorrer sobre o investimento em urânio e os desenvolvimentos recentes que nos fizeram rever nossas perspectivas para esse mercado.

Em nossa análise inicial, apesar de observarmos um mercado apertado anos à frente por conta de uma demanda crescente, o risco de crescimento de oferta por reativação de minas e o longo período para implementação de novas usinas nos fizeram sair da nossa posição em Urânio.

Contudo, desenvolvimentos recentes no mercado, relacionados às sanções sobre a Rússia, a disciplina das mineradoras e a demanda especulativa, trouxeram o aperto do mercado para o futuro mais próximo. Como consequência, estamos revisando nosso balanço de oferta e demanda de superávit anterior para um déficit de 25mlbs.

 

As sanções decorrentes da Guerra Rússia-Ucrânia devem reduzir a oferta de urânio por perda da capacidade global de enriquecimento. A Rússia corresponde por 46% da capacidade de enriquecimento de urânio mundial e fornece cerca de 1/4 dos serviços de enriquecimento contratados pelo ocidente.

Com 46% da capacidade de enriquecimento inacessível para o Ocidente, as enriquecedoras ocidentais terão que trabalhar mais próximas ou mesmo acima do limite. O impacto estimado na balança é de uma redução de 10mlbs de oferta, equivalente a uma das maiores minas do mundo fechando.

Outro fator de grande importância é que, apesar da alta do urânio, as mineradoras estão mantendo disciplina de produção, isto é, não estão aumentando a oferta para se beneficiar de preços mais altos. Recentemente, a mineradora canadense Cameco revisou a produção futura de uma de suas minas para baixo e anunciou que o reinício de outra mina seria a patamares menores do que no passado. Do lado do Cazaquistão, também, ainda não houve anúncio de aumento de produção. Deve-se notar que, após a decisão, a produção das minas costuma levar ainda 18 meses para entrar no mercado.

Do lado da demanda, é possível observar uma grande mudança no sentimento de governos e sociedades em direção à energia nuclear. São inúmeros os exemplos recentes de revisão de postura, dentre eles, países que se pronunciaram: Estados Unidos, Coreia do Sul, França, Reino Unido, Japão, Bélgica e outros.

Assim, devido à inabilidade de construir novas minas de urânio em menos de dez anos e a crescente demanda, vemos um déficit nas balanças persistindo por anos, requerendo preços mais altos.

Ao mesmo tempo, após alguns anos de déficit no mercado, as utilities já estão trabalhando com estoques de combustível no limite necessário para continuidade das operações, afinal com cerca de 16 meses de inventários e um ciclo de 24 meses do urânio, não há buffer para disrupções.

A demanda de investimento no urânio físico, que “sequestra” e armazena a commodity, impedindo o uso por parte das utilities, também foi de grande materialidade ao longo dos últimos meses. Isso foi possibilitado por novos veículos de investimento físico e motivado pela percepção de escassez futura, capturando cerca de 1/3 da oferta global no período de menos de um ano. Também acreditamos que essa fonte de demanda física deverá persistir.

continua após a newsletter

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Concluímos então que uma série de eventos recentes antecipou o aperto futuro do mercado como: a queda na oferta secundária, o aumento menos expressivo da oferta de mineração, estoques no limite e demanda crescente. Assim, retornamos a nossa posição comprada no ETF de urânio, o URA, que é composto por mineradoras e o próprio urânio físico, após a recente correção do mesmo.

***

Estamos à disposição de nossos clientes e parceiros.

Kinea Investimentos

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Receba insights exclusivos

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br