Instagram | Kinea Investimentos Siga nossa página no Instagram e receba novidades. Siga nosso perfil Siga nosso perfil

Close
Insights

Colhendo o que plantamos: O Brasil e sua influência global no preço dos grãos

28 JUN 2021

Imagem Colhendo o que plantamos: O Brasil e sua influência global no preço dos grãos

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa
newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

Dots Post

No meio de uma estagnação econômica que já dura uma década, o setor agrícola brasileiro se destaca com crescimento de 34% nos últimos 10 anos. O país passou a exercer enorme influência no mercado internacional de grãos, via o crescimento de sua safra, estimulada por forte demanda externa durante a última década. Por isso, mantemos uma visão estrutural positiva para a soja e o milho.

“Eu preferia estar na minha fazenda que ser imperador do mundo”
George Washington

Uma introdução à importância da agricultura através da história

A importância da agricultura é um tema presente em toda a história. Até o século XVII, os seres humanos eram, basicamente, fazendeiros. Ainda em 1800, cerca de 90% da força de trabalho dos Estados Unidos era alocada nessa atividade.

A importância dada à agricultura era tamanha que os fisiocratas, escola econômica francesa do século XVIII, afirmavam que toda a riqueza das nações era proveniente somente da agricultura. Nos Estados Unidos após a guerra da independência, o Sul, liderado pelo estado da Virgínia, e berço agrícola do país naquela época, olhava com desdém para o norte, mais industrializado, lugar onde os serviços financeiros se estabeleciam.

 

Percentual força de trabalho americana por atividade

Nota: indústria inclui manufatura, construção e mineração | Fonte: Federal Reserve Bank of America

Nossa geração tem enorme dificuldade de entender a importância da atividade agrícola no processo econômico, uma vez que a plenitude de alimentos e mecanização, que hoje faz com que somente cerca de 2% da população seja empregada nessa atividade nos países desenvolvidos, tira de nossa consciência o trabalho, risco e possibilidade de escassez de alimentos presentes por toda a história.

Entretanto, o medo da falta de alimentos é uma constante na história, ilustrada pela célebre frase de Thomas Malthus em 1798: “A população, quando livre, cresce em progressão geométrica, enquanto os meios de subsistência crescem somente em uma progressão aritmética”.

O que Malthus não conseguiu vislumbrar foi a sequência de eventos que se iniciaria no século XVIII, com a revolução industrial, e nos séculos subsequentes, com diversas revoluções no campo agrário.

Chegamos ao século XXI com a fome no mundo praticamente erradicada, sendo que os poucos lugares em que ela ainda ocorre são frutos de conflitos locais. Esse foi o triunfo do enorme crescimento de produção que o mundo e, particularmente o Brasil, viu ao longo das últimas décadas.

O Brasil é a terceira maior agricultura do mundo, atrás somente da China e dos Estados Unidos. Nossa produção agrária quase dobrou nos principais grãos – soja e milho –  ao longo da última década. Somos os maiores produtores de soja do mundo. O terceiro maior produtor de milho, mas o maior exportador, juntamente com os Estados Unidos. Somos, também, os maiores produtores de cana de açúcar, o dobro do tamanho da produção da Índia, e os maiores produtores de café, produzindo quase o dobro do Vietnã. Além das exportações de carne bovina,  que também somos os maiores, tendo o dobro do volume dos Estados Unidos.

 

Fatias do valor bruto da produção dos principais produtos agropecuários Brasil

Fonte: Valor bruto da produção no Brasil em 2020, segundo Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)

 

Produção Soja

Fonte: USDA

Produção Milho

Fonte: USDA

Toda essa preeminência, em diversas áreas do setor agrário, faz com que tenhamos alguma vantagem competitiva como investidores macro globais ao analisarmos o mercado de grãos. E isso nos incentivou a escrever essa carta.

 

Produção Brasileira - Principais grãos 1980-2020

Fonte: USDA

A importância da agricultura para o Brasil

Nosso país já passa por mais de uma década de estagnação econômica, com queda de PIB per capita e mínimo crescimento econômico desde 2011. Nossa indústria contraiu cerca de 7% no período, em virtude da falta de crescimento econômico e do afastamento do país das cadeias de produção global, tendo o setor automotivo como um dos melhores exemplos desse fenômeno.

 

Componentes do PIB indexados 100 = 2011 | Participação da agricultura no PIB brasileiro (%)

Fonte: IBGE

Em comparação, o PIB agrário cresceu 34% no mesmo período, sendo que sua participação saiu de patamares de 4% para cerca de 7% da economia. Esse número, entretanto, subestima a real participação do processo agrário no PIB brasileiro: se considerarmos toda a cadeia de produção (incluindo insumos, agropecuária, indústria ligada à agricultura e serviços) essa participação se aproxima de 25% do PIB brasileiro.

 

PIB CEPEA/CNA(%) | Decomposição do PIB Agro (%)

Fonte: CEPEA e OBGE

Mais recentemente, também pudemos observar a força do PIB agrário, impulsionando os números agregados do país. O crescimento de 1.0% do PIB no primeiro trimestre de 2021 foi, em grande parte, em função de um crescimento de 5.2% do PIB da agropecuária, enquanto serviços, representando 62% do PIB, ainda se encontravam em contração.

 

PIB IBGE (%) | Variação 1 trimestre 2021 (%)

Fonte: IBGE

Também na área de formação de capital, podemos observar a importância da agricultura: cerca de 20% do Capex brasileiro se refere ao setor agropecuário. Nesse segmento, o crescimento ao longo do último ano foi em torno de 70%, praticamente o dobro do observado no setor de construção.

 

Produção de bens de capital por categoria | Variação Abril/21 vs Fev/20

Fonte: IBGE

Talvez o efeito mais conhecido, mas não menos impressionante, seja o impacto do setor agrário nas contas externas. Até recentemente, por exemplo, tínhamos enorme dificuldade de responder a razão pela qual nossa moeda não respondia a essa imensa e transformacional melhoria para as contas do país.

 

Exportações média móvel 3 meses (US$ Milhões)

Fonte: IBGE e Bradesco

continua após a newsletter

Receba insights da Kinea exclusivos diretamente no seu e-mail.
Assine nossa newsletter.

Ao assinar a newsletter, você aceita receber comunicados da Kinea e concorda com nossa Política de Privacidade.

A crescente demanda da China por grãos

Após mais de um ano de pandemia, estamos vivendo no mundo um grande desafio de balancear a relação entre oferta e demanda, frente ao crescente consumo de grãos dos últimos anos, principalmente na Ásia.

Até o final do ano passado, o preço dos grãos se encontrava em patamares muito baixos, quando comparados com os preços médios observados no período de 2007 à 2015.

 

Preço dos principais grãos (US$/bushel)

Fonte: Macrotrends

Mais recentemente, esse cenário começou a mudar, em virtude de uma conjunção de fatores.

  1. Em primeiro lugar, a expectativa da reabertura, após o sucesso das vacinas, trouxe com ela uma revisão do nível de demanda global.
  2. A recomposição do rebanho suíno chinês, que havia sido dizimado nos últimos anos pela febre suína, também começou a pressionar a demanda por grãos.
  3. Os estoques dos principais grãos, milho e soja, também se encontram em níveis historicamente baixos, o que contribui para que o aumento da demanda seja sentido de forma mais forte nos preços.
  4. E, finalmente, o preço do petróleo continua em ascendência, o que impacta o preço dos grãos, por razões que apresentaremos mais adiante nessa carta.
Rebanhos suínos na China | Estoques de passagem globais para os principais grãos

Fonte: USDA

Estruturalmente, o balanço de oferta e demanda de grãos tem sido impactado pela crescente demanda chinesa. Por anos, os chineses tentaram manter autossuficiência em milho, com subsídios significativos da produção interna. Entretanto, a crescente demanda pelo consumo de proteínas rompeu esse equilíbrio e, recentemente, a China se tornou forte compradora de milho no mercado internacional.

 

Demanda de milho e soja na China | Importações de milho e soja na China

Fonte: USDA

Ao crescimento estrutural de demanda somou-se também o impacto da febre suína de 2018 na China, que reduziu o rebanho de porcos em quase 50%. Após esse evento, a China teve que repensar sua metodologia de produção de carne de porco, elevando o grau de profissionalização para a produção de seus rebanhos e favorecendo grandes produtores. Essa profissionalização da produção de carne suína está fazendo com que o consumo de grãos, por parte do rebanho, cresça de modo significativo, levando a China a estender sua participação no mercado de grãos, principalmente no milho e na soja.

O impacto da crescente demanda no preço dos grãos

A combinação de forte demanda com a quebra de safra nos Estados Unidos, em 2019, causou um ambiente no qual os estoques se encontram em níveis muito baixos. Os estoques de milho e soja, por exemplo, estão nas mínimas da última década, no caso do milho cobrindo apenas 7% do consumo anual. Nesse regime, nada pode dar errado na safra do segundo semestre nos Estados Unidos e, também, na safrinha brasileira.

 

Estoques de passagem milho e soja dos EUA | Produção de milho e soja nos EUA

Fonte: USDA

A curva dos futuros de milho, por exemplo, se encontra em forte backwardation. Isso é, o preço do milho no mercado atual se encontra cerca de 15% acima do preço esperado para o final do ano. Portanto, em um ambiente de estoques apertados, a hipótese que o mercado faz é que não haverá quebra de safra. Qualquer mudança climática pode, por consequência, trazer significativa elevação de preços para o final do ano.

 

Contratos futuros de milho - Chicago | Contratos futuros de soja - Chicago

Fonte: CME

Uma resposta possível para um balanço de oferta-demanda tão apertado seria a ampliação de área cultivada, para fazer frente ao aumento estrutural de demanda e baixos estoques. Entretanto, existem poucas regiões do planeta que podem responder ao crescimento da demanda. O mundo desenvolvido: Estados Unidos, Europa e Ásia, não tem mais capacidade de aumentar sua área cultivada, sendo qualquer crescimento dependente de aumentos de produtividade, que se materializam lentamente. Apenas duas regiões do planeta têm capacidade de aumentar sua área cultivada: a América Latina, nesse caso representada principalmente pelo Brasil, e a Europa oriental, principalmente na Ucrânia e Rússia.

 

Área Soja | Área Milho

Fonte: USDA

Na verdade, o crescimento da produção agrícola global, ao longo da última década, tem sido uma história de ganhos graduais de produtividade junto com estabilidade da área plantada, na grande maioria dos países, sendo o Brasil uma clara exceção a esse processo, com aumento significativo de área.

Mudanças climáticas e seus impactos no mercado de grãos

Além dos problemas já mencionados, de falta de área de expansão, elevada demanda chinesa e estoques muito baixos, um outro elemento tem sido importante para determinar o preço dessas commodities agrícolas: são as mudanças climáticas.

Por anos o mundo viveu sob influência dos efeitos e períodos de águas mais frias no pacífico (La Ninã) ou mais quentes (El Niño). Os dois efeitos afetam a produtividade agrícola, tanto nas américas quanto no sudeste Asiático.

No momento, acabamos de passar por um processo de La Niña, com um regime neutro previsto para os próximos meses, mas ainda com elevadas chances de retornarmos ao La Niña no final deste ano. A consequência desse processo é que o Brasil apresentou escassez de chuvas nos últimos meses e, como resultado, nossa última safra de soja e milho foi sub-ótima, compondo o problema de baixos estoques.

 

Produtividade do milho no Brasil

Fonte: USDA

A relação entre o mercado agrícola e o preço do petróleo

Conforme comentamos em cartas anteriores, o preço das commodities agrícolas tem ganhado, principalmente após 2005, uma forte correlação com o preço do petróleo. O petróleo, sendo uma proxy para o preço da energia, exerce influência no preço das demais commodities. Com o início da utilização do milho para produção de etanol nos Estados Unidos, a partir de 2005, essa relação se tornou mais forte.

 

Relação preços milho vs Petroleo

Fonte: Macrotrends

A ligação do milho com o preço da energia gerou uma reação em cadeia nos demais grãos. A soja também passou a ser correlacionada com o preço da energia, em virtude de competir em espaço de plantio com o milho e ter cerca de 25% de sua utilização em biocombustíveis. Esse efeito passou a se dar também, embora em menor intensidade, em outros grãos como o trigo, que também compete por espaço em algumas regiões.

 

Plantações de Soja nos EUA | Plantações de milho nos EUA

Fonte: USDA

 

Não só os grãos passaram a ser relacionados com o petróleo, mas essa relação também se estende para a produção de proteínas, uma vez que o boi se alimenta, principalmente, de soja e milho, ou compete por espaço de plantação quando criado em pasto aberto.

Conforme mencionamos em nossas últimas cartas, temos a visão de que o preço do petróleo deve continuar em alta nos próximos meses, principalmente em razão do aumento de demanda e a falta de investimentos no setor, dando a OPEP, que é um oligopólio, um maior pricing power. Esse fator, junto com estoques baixos, crescente demanda e efeitos climáticos, deve também ajudar a impulsionar o preço das commodities agrícolas.

Resumo de nossa visão para o mercado de grãos e posicionamento

Consideramos que estamos dentro de um longo ciclo de crescimento de demanda por produtos agropecuários no mundo. O crescimento da demanda Chinesa, fruto principalmente da elevação da renda per capita do país, que traz com ela um aumento do consumo de proteínas, tem levado o país, incapaz de aumentar sua área de produção agrária, a se tornar um grande importador de grãos no mercado internacional.

Essa crescente demanda por proteínas, combinada com falta de área de produção, não é um privilégio da China, mas um fator comum em diversas economias emergentes na Ásia.

Dessa forma, o Brasil emerge como uma das poucas soluções críveis para atender essa crescente demanda estrutural. O crescimento histórico de nossa safra e das exportações, juntamente com o crescimento da agricultura em nosso PIB, é testemunho da capacidade do Brasil de se tornar um parceiro de longo prazo de diversas economias globais, na questão de segurança alimentar.

Conforme mencionamos, cinco fatores nos fazem acreditar em uma continuidade estrutural de elevação de preços no setor.

  1. A crescente demanda estrutural por proteínas, trazendo crescimento do consumo de grãos per capita, para alimentação dos rebanhos;
  2. A Entrada da China como forte compradora de grãos no mercado internacional, como consequência dessa crescente demanda;
  3. Os baixos níveis de estoques, em virtude de recentes quebras de safra;
  4. A possibilidade do retorno de condições climáticas desfavoráveis no final deste ano (La Niña);
  5. A relação dos grãos com o preço do petróleo, que por sua vez acreditamos que irá continuar em elevação.

Reconhecemos, entretanto, que as condições climáticas devem ser o principal determinante das flutuações de curto prazo dessas commodities e, com relação a elas, temos muito pouco controle ou previsibilidade. No entanto, quando observamos as tendências estruturais mencionadas acima, consideramos que existe um claro viés de alta nos preços e, dessa forma, no momento, mantemos posições compradas, principalmente na soja e no milho, em nossos portfólios.

Esperamos que essa carta tenha ajudado nossos clientes e parceiros a compreender um assunto tão complexo e diverso como o da demanda, oferta e precificação de grãos, bem com a participação dos mesmos na economia brasileira.

Deixamos nossos leitores com uma frase de Dwight Eisenhower, outro presidente norte americano, que liderou as forças aliadas na Segunda Guerra durante o desembarque na Normândia. Uma pessoa que certamente sabia o quão difícil algumas tarefas podem ser para a sociedade.

“A agricultura parece muito fácil, principalmente quando o seu arado é uma caneta e você está sentado a milhares de quilômetros dos campos de milho.”
Dwight Eisenhower

Agricultura Brasileira | Kinea Investimentos

Estamos sempre à disposição de nossos clientes e parceiros para eventuais dúvidas.

Kinea Investimentos

Saiba onde investir nos fundos Kinea

Entre em contato e saiba como adquirir um de nossos fundos.

Cadastre-se em nossa newsletter

E fique por dentro do mercado de fundos

Ao se cadastrar você concordar com nossa Política de Privacidade.

Este material foi elaborado pela Kinea (Kinea Investimentos Ltda e Kinea Private Equity Investimentos S.A.), empresa do Grupo Itaú Unibanco. A Kinea não comercializa e nem distribui cotas de fundos de investimentos. Leia o regulamento e demais documentos legais do fundo antes de investir. Os fundos são supervisionados e fiscalizados pela Comissão de Valores Mobiliários – CVM. Os fundos de condomínio aberto e não destinados a investidores qualificados possuem lâminas de informações essenciais. A descrição do tipo ANBIMA consta no formulário de informações complementares. Estes documentos podem ser consultados no site da CVM http://www.cvm.gov.br/ ou no site dos respectivos Administradores dos fundos. Não há garantia de tratamento tributário de longo prazo para os fundos que informam buscar este tratamento no regulamento. Os fundos da Kinea não são registrados nos Estados Unidos da América sob o Investment Company Act de 1940 ou sob o Securities Act de 1933. Não podem ser oferecidos ou vendidos nos Estados Unidos da América ou em qualquer um de seus territórios, possessões ou áreas sujeitas a sua jurisdição, ou a pessoas que sejam consideradas como U.S. Persons para fins da regulamentação de mercado de capitais norte-americana. Os Fundos de Investimento da Kinea podem apresentar um alto grau de volatilidade e risco. Alguns fundos informam no regulamento que utilizam estratégias com derivativos como parte de sua política de investimento, que da forma que são adotadas, podem resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas superiores ao capital aplicado, obrigando o cotista a aportar recursos adicionais para cobertura do fundo. É recomendada uma avaliação de performance de fundos de investimento em análise de no mínimo 12 meses. A rentabilidade passada não garante a rentabilidade futura e fundos de investimento não são garantidos pela Instituição Administradora, ou por qualquer mecanismo de seguro, ou ainda pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC. Os Fundos de Investimento em Participações seguem a ICVM 578, portanto são condomínios fechados em que as cotas somente são resgatadas ao término do prazo de duração do fundo. Esta modalidade concentra a carteira em poucos ativos de baixa liquidez, o que pode resultar em perdas de patrimônio financeiro para seus cotistas que podem superar o capital aplicado, acarretando na obrigatoriedade do cotista aportar recursos adicionais para cobertura do fundo no caso de resultado negativo. Os Fundos de Investimento Imobiliário seguem a ICVM472, portanto são condomínios fechados em que as cotas não são resgatáveis onde os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios seguem a ICVM356, portanto são condomínios abertos ou fechados, sendo que: (i) quando condomínios abertos, o resgate das cotas está condicionado à disponibilidade de caixa do fundo; e (ii) quando condomínios fechados, em que as cotas não são resgatáveis, os cotistas podem ter dificuldade em alienar suas cotas no mercado secundário. As opiniões, estimativas e projeções refletem o atual julgamento do responsável pelo seu conteúdo na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. As projeções utilizam dados históricos e suposições, de forma que devem ser realizadas as seguintes advertências: (1) Não estão livres de erros; (2) Não é possível garantir que os cenários obtidos venham efetivamente a ocorrer; (3) Não configuram, em nenhuma hipótese, promessa ou garantia de retorno esperado nem de exposição máxima de perda; e (4) Não devem ser utilizadas para embasar nenhum procedimento administrativo perante órgãos fiscalizadores ou reguladores. Este conteúdo é informativo e não constitui nem deve ser interpretado como oferta ou solicitação de compra ou venda de valores mobiliários, instrumento financeiro ou de participação em qualquer estratégia de negócios específica, qualquer que seja a jurisdição. Algumas das informações aqui contidas foram obtidas com base em dados de mercado e de fontes públicas consideradas confiáveis. O Grupo Itaú Unibanco e a Kinea não declaram ou garantem, de forma expressa ou implícita, a integridade, confiabilidade ou exatidão de tais informações e se eximem de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização desse material e de seu conteúdo. Esse material não pode ser reproduzido ou redistribuído para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento por escrito da Kinea. Quaisquer outras informações ou esclarecimentos sobre o Fundo poderão ser obtidos com o Administrador e o Gestor, através do e-mail: relacionamento@kinea.com.br